sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Obama, realidade ou apenas uma falsa esperança?


"O que quer que nós já tenhamos sido, nós não somos mais uma nação cristã... pelo menos não somente"









Tais palavras seriam sons de um novo mundo? Uma nova ordem mundial? O anticristo, que alguns cristãos fanáticos - e ressentidos - vociferam? (...) De fato, não! Porém, não menos importante do que o anticristo, Barack Hussein Obama tem se saído muitíssimo bem. Pelo menos até agora. Dotado de uma oratória invejável, e de discursos impecáveis [outros diriam impagáveis], o novo presidente dos EUA é considerado, por muitos, como um divisor de águas na política partidária estadunidense. Até mesmo Hugo Chavéz se fez presente nesta crescente lista de positivistas que acham que a vitória de Obama é uma virada de página, como bem afirmou: a vitória de Obama "é o sintoma de uma mudança de época", de acordo com a agência "Brasil de Fato".

Obama propõe um governo que não conta com a ação divina como um elemento que viria para solucionar a grave crise financeira estadunidense. Chegou a sugerir que ainda que fosse levada em consideração uma intervenção divina, segundo o cristianismo, que ele não saberia qual o segmento cristão ele poderia aplicar como sendo o verdadeiro. De certa forma, isso incomoda e irá incomodar muitos cristãos ao longo destes anos em que ele permanecerá na Casa Branca, porém, não podemos esquecer de que a sua proposta parte do princípio de igualdade que o EUA sempre apregoou como sendo o certo a ser seguido. Ter igualdade dentro de uma nação é agir como um Estado laico, sem qualquer esperança de que uma intervenção divina poderá surgir a qualquer momento, e que não faz acepção de pessoas.

Bom, vimos em vários outros momentos que o messianismo não proporcionou melhoras consideráveis. Em grande medida, a expectativa que está nas costas de Obama pode se transformar numa grande decepção, basta que todos conheçam a verdade por detrás de Obama; que ele não é o anticristo ou um messias. Desta forma, todos verão que ele é apenas um homem comum que um dia teve um sonho, tal qual um senhor, igualmente comum, que um dia mudou a história mundial justamente por não aceitar que jogassem terra em seu sonho. Tal homem comum era conhecido como Martin Luter King.

Fernando Henrique Liduário Maximiano


3 comentários:

Christiane Forcinito Ashlay Silva de Oliveira disse...

Fernando
Excelente seu blog. Estarei aqui sempre.
Quanto ao Obama eu, particularmente, acredito que ele é uma falsa esperança, porém é difícil avaliar a política norte americana baseado em jornais e revistas, nunca sabemos se o que publicam é verdadeiro.
Você que é futuro jornalista pode inclusive ser honesto nisso, estamos precisando de jornalistas bons no Brasil e no mundo, olha aí uma boa missão... hehehe
Um sacerdote amigo nosso vive lá e nos relatou que muitos não votariam no outro candidato devido as mortes ocorridas na guerra e o medo constante, ao mesmo tempo Obama é abortista..
São tempos de caos nas idéias e nas mentes. Vivemos em uma época paradoxal e este paradoxo inicia em nós...
Olha, amigo difícil...
Grande abraço.
Chris

Christiane Forcinito Ashlay Silva de Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lunah disse...

Fernado
Naveguei no seu blog e gostei...virei outras vezes se você voltar a postar, é claro...rsrs

Porque parou?

Abraçossss
LunaH Caldas